Esta obra de arte localiza-se à 10-25km no mar, entre Vilankulo ao Sul e Inhassoro à Noroeste, encontrando-se o acesso de entrada e saída mais solicitado na Vila de Vilankulos. Para quem vem de Maputo, encontra-se à 780 km de distância. Esta famosa e conhecida Ilha, pertence a um Arquípelago de mesmo nome e representa um verdadeiro paraíso escondido em África, infinitamente procurado e desejado por muitos de que lhe ouvem falar, como destino e como área de conservação. Chegando a este Arquípelago que integra cinco Ilhas: Bazaruto, Benguera, Magaruque, Santa Carolina e Bangue, há uma deslumbrante recepção de belos pássaros brilhando ao sol sobre as águas do Indico claras, turquesa, com uma flora e fauna imensamente rica e as interminavéis dunas esbranquiçadas.

Magaruque e Benguerra são visíveis a partir da costa de Vilankulo, Bazaruto é a maior ilha, Bangue é desabitada e Santa Carolina (também conhecido como Paradise Island) não tem alojamento. É ocupado por cerca de 3500 pessoas, na sua maioria pescadores e mulheres que também dedicam-se a catar perólas, todos possivelmente descendentes da Tribo de pescadores Matsonga. Ao fim do dia, é frequente testemunhar-se a vida local nma procissão de pescadores e crianças a brincarem. Normalmente os habitantes residem em palhotas próximas do mar, compondo aldeias conhecidas pelo nome dos seus chefes que ditam as leis e normas de funcionamento e habituaram-se ao movimento de chegada e saída de forasteiros nestas paragens, que é de tempos. É aquí, onde a Rainha do Sabá escolhia pessoalmente as esferas preciosas que o mar deixava crescer e onde Lourenço Marques refugiou-se com a sua noiva Indiana.


Na Ilha, há oportunidade para a prática de actividades ociosas e de lazer, com destaque para o dhow cruzeiros a partir de Vilankulos, snorkeling, mergulho, observação de pássaros, passeios a cavalo e de jipe, safaris marinhos, piquinique na praia, no mar e sobre as dunas, entre outras. Pode-se igualmente realizar visitas ao Parque Nacional (Parque Nacional do Arquípelago do Bazaruto) em funcionamento desde 1971, gerido pela Administracção Nacional de Áreas de Conservação do Ministério da Terra Ambiente e Desenvolvimento Rural, em colaboração com o World Wildlife Fund e do Endangered Wildlife Trust, cujos limites no final de 2002, foram estendidos para o sul para abranger todas as ilhas, trazendo a área sob protecção cerca de 1.400 metros quadrados. Km. Esta área de protecção possui uma natureza em abundância, marcada por varias especies de tartarugas, de golfinhos, dois mil tipos de peixes, estranhas criaturas em vias de extincao com destaque para o dugongo, recifes com corais ainda intactos, baleias ocasionais que confirmam o paraíso pleno.

Deve se evitar as lagoas, por estas serem o local preferido dos crocodilos, macacos, lagartos e outras espécies selvagens. Existem excelentes instalacções para o alojamento, que possibilitam o pleno desfrute da beleza invulgar, com uma maior predominância dos lodges encantadores na sua simbiose com a natureza circundante como o Bazaruto Lodge e o Indigo Bay (só 2..).A estrutura de alojamento caracteriza-se essencialmente pelos bungalows, que levam material local e algum convencional, combinando com a perfeição da paisagem natural e o ambiente selvagem. A maioria dos visitantes voa diretamente para Vilankulos de Joanesburgo, Nelspruit, onde posteriormente pode-se organizar helicóptero ou barco para as transferências às Ilhas, que são aproximadamente 20 minutos de puro extâse.

Gastronomia
A gastronomia é simples e saborosa, baseada em mariscos e peixe fresco.

 

Newsletter

Assine a newsletter do Visitmozambique e receba as principais notícias sobre Turismo por e-mail.